Temática sobre o Plano Mais IDH marca encerramento das Oficinas de Planejamento

O encerramento das Oficinas de Planejamento, promovidas pela SEPLAN, foi marcado pela temática do Plano Mais IDH, na tarde da última quinta-feira (01). No último dia de evento, o secretário-adjunto de Promoção do IDH da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (SEDIHPOP), Bruno Lacerda, fez uma explanação do Plano e dos principais desafios para os próximos quatro anos.

De acordo com Bruno Lacerda, o próximo passo é, com base em todos os diálogos realizados durante as Oficinas, repensar o planejamento a partir de 2019, fortalecendo a intersetorialidade e a transversalidade, pois só garantindo essas etapas em conjunto, o Governo conseguirá avançar no Plano MAIS IDH e em outras ações existentes.

“O período de 2019 a 2024 contemplará a ampliação do Plano Mais IDH, levando em consideração, claro, as condições fiscais e orçamentárias. Vamos decidir, em conjunto com o Governador Flávio Dino, como será feita essa ampliação. Aproveito para destacar essa atividade de integração, que foi extremamente importante, pois quando nos integramos, conseguimos otimizar recursos e, consequentemente, expandir as ações”, enfatizou o secretário-adjunto.

De acordo com a assessora especial do Governador, Margarete Cutrim, que também participou das Oficinas, o evento teve um objetivo bastante funcional, já que estamos em fase de formulação e aprimoramento de um novo sistema, que vai integrar os sistemas já existentes de planejamento, orçamento, monitoramento, acompanhamento de metas, etc. Ela destacou ainda, que para o Governo,  isso é muito positivo, na medida em que foram reunidas todas as Assessorias de Planejamento para conhecer algumas funcionalidades desse novo sistema, avaliando as próximas etapas do planejamento e, sobretudo, sob a perspectiva do PPA 2020-2023.

Margarete Cutrim ressaltou ainda os pontos principais do evento e aproveitou para elogiar a iniciativa da SEPLAN, em promover esse momento de discussão e integração entre os servidores do Estado.

“O primeiro momento foi de alinhamento sobre toda essa concepção, especialmente sobre o esforço que o Governo vem fazendo em integrar, no planejamento e orçamento, as ações e políticas transversais. Então, é um salto qualitativo que estamos dando, no sentido de aprimorar as estratégias de gestão. Nós já vínhamos fazendo isso, a diferença agora é aprimorar do ponto de vista das ferramentas, que possibilitarão visualizar, acompanhar e avaliar, de fato, os impactos, resultados e processos de execução de todos os programas e atividades. A SEPLAN está de parabéns pelas Oficinas, das quais nós também pudemos participar, e o desafio atual é mergulhar mais profundamente, pois aqui foi só um exercício. Agora vamos trabalhar o orçamento 2019 nessa perspectiva de garantir a agenda estratégica do Governo, para que tudo continue caminhando firme e de maneira benéfica para todos”, destacou.

O secretário-adjunto da SEPLAN, Roberto Matos, fez o encerramento do evento e agradeceu a participação de todos.

“Em nome da Secretária Cynthia Mota, agradeço a todos pelo engajamento demonstrado nos 4 dias de atividades e pelas valiosas contribuições para o aperfeiçoamento do sistema de planejamento do Estado. E para que este trabalho alcance os objetivos propostos, é fundamental que seja mantida a ampla participação nas próximas etapas, quando iremos operacionalizar o que foi discutido nos últimos dias”, acrescentou o Secretário Adjunto da SEPLAN.

Sobre o evento

Durante os quatro dias de evento (um dia de Seminário e três de Oficinas técnicas), os servidores do Estado discutiram temáticas relativas ao planejamento governamental. Foram desenvolvidas atividades com o corpo técnico de todos os órgãos e entidades do Estado, com o intuito de aperfeiçoar as propostas apresentadas. Durante as Oficinas, servidores se dividiram em vários grupos de trabalho, com os objetivos de iniciar um exercício de padronização das subações e de identificar, em suas ações, as temáticas da intersetorialidade e transversalidade das políticas públicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *